Teste da Orelhinha

Veja qual a finalidade e como é realizado

Artigo publicado por Juliane Freitas nas categorias: Bebês

Bebês recém-nascidos merecem especial atenção, assim como a merecem também quando ainda estão dentro do útero. Por isso, existem vários exames importantes que devem ser feitos logo depois do nascimento para ter certeza de que o bebê está perfeitamente saudável. Uma das coisas que devem ser observadas atentamente é a audição do seu bebê, fundamental para comunicação e aquisição da linguagem. Para isso existe a triagem auditiva neonatal, ou Teste da Orelhinha.

O que é?

A triagem auditiva neonatal é um exame que mede a capacidade auditiva do bebê realizado por volta do seu segundo ou terceiro dia de vida.

O teste da orelhinha serve  para medir a capacidade auditiva do bebê.

O teste da orelhinha serve para medir a capacidade auditiva do bebê.

Como é realizado?

A técnica mais utilizada é a de Emissões Otoacústicas Evocadas (EOAs). O médico coloca um fone que está ligado a um aparelho na orelha do bebê. Esse aparelho vai emitir as EOAs, que vão produzir estímulos sonoros de fraca intensidade e o fone vai captar o retorno que a orelha interna do bebê vai produzir a partir desses estímulos (como uma espécie de eco). Então o computador vai registrar em um gráfico o resultado do exame, que vai mostrar se as partes internas da orelha do bebê estão funcionando corretamente.

O teste é indolor e não costuma levar mais que dez minutos. Geralmente realizado enquanto a criança dorme, não possui contraindicações. Deve ser feito logo nos primeiros dias de vida com limite até o 3º mês, mas o ideal é que seja até as 48 horas após o nascimento, pra que seja possível diagnosticar precocemente qualquer anormalidade e haja tratamento médico o mais cedo possível.

Um diagnóstico precoce pode ajudar a melhorar a qualidade de vida de bebês com algum tipo de deficiência auditiva, portanto, não deixe de realizá-lo no seu filho.

Um diagnóstico precoce é essencial para um tratamento imediato.

Quão importante é teste da orelhinha?

O teste pode acusar qualquer grau de deficiência auditiva precocemente. É extremamente importante que seja realizado, pois já foi comprovado que a audição é essencial para um bom desenvolvimento da fala, fundamental para boa comunicação. Identificando qualquer alteração auditiva, pode-se intervir rapidamente. Por exemplo, um bebê diagnosticado antes dos seis meses pode utilizar um aparelho auditivo e isso vai ajudá-lo a responder a estímulos sonoros e a desenvolver a linguagem como uma criança que ouve normalmente.

Em comparação a outras doenças, a deficiência auditiva é a mais encontrada no período neonatal. A cada 1000 crianças, 3 nascem com problemas auditivos, e elas representam 80% da população com surdez. O maior risco se concentra em bebês:

  • cujos pais possuem histórico de surdez na família;
  • que ficaram internados na UTI Neonatal por mais de 48 horas por alguma complicação;
  • com infecções congênitas como: rubéola, toxoplasmose, citomegalovírus (um tipo de herpes), catapora, parvovírus, AIDS, sífilis, herpes ou hepatite B;
  • com anormalidades craniofaciais, como lábio leporino ou má formação da orelha;
  • em situações em que a mãe ou o próprio ingeriram substâncias ototóxicas, ou seja, que têm efeito tóxico sobre a audição, como: ácido acetilsalicílico, presente em analgésicos e antiinflamatórios, ácool, substâncias presentes em antibióticos e diuréticos, como furosemide e farmacetina, e tabaco.
independente de o seu filho apresentar qualquer risco, realize todos os testes da triagem neonatal.

independente de o seu filho apresentar qualquer risco, realize todos os testes da triagem neonatal.

Ainda que o risco de surdez seja maior para as situações citadas acima, todos os bebês devem fazer o exame. O teste é obrigatório por lei e pode ser realizado gratuitamente.

1 comentário

  1. irene da rocha

    Bom dia preciso comprar o OtoRead para triagem auditiva o que devo fazer ?

Comente!




*Campos obrigatórios