Parto Cesariano

Saiba quando e por que razões ele é recomendado

Artigo publicado por Juliane Freitas nas categorias: Gestação

Para a Organização Mundial de Saúde (OMS), o índice razoável de cesáreas é de 15%. No entanto, no Brasil, o número de cesáreas atualmente é de 50% — 90% se for considerada apenas a rede particular —, ainda que o parto normal seja menos arriscado. Isso é porque um médico leva menos tempo para realizar o procedimento cirúrgico que para realizar um parto normal, que pode durar até 12 horas, então as gestantes são levadas a acreditar que o parto normal é arriscado, o que não é verdade. Além disso, um médico recebe mais por um parto cesariano que um parto normal. A cesariana é um procedimento cirúrgico realizado com uma incisão no abdome da mulher para retirar o bebê de dentro da barriga. Para que ele corra, deve haver razões clínicas específicas que apresentem algum tipo de risco; ela não deve ser tratada como um procedimento natural, mas como uma alternativa viável que seja melhor para a mãe e para o bebê caso o parto vaginal não seja possível.

parto marcado

Quando a cesariana é indicada?

O parto de Cesárea é indicado em casos de:

  • Gravidez com 3 ou mais bebês;
  • Placenta prévia: quando a placenta bloqueia a saída do bebê;
  • Descolamento prematuro da placenta, o que coloca o feto em risco;
  • Complicações com pré-eclâmpsia;
  • Histórico da mãe de cirurgias uterinas ou cesáreas anteriores;
  • O bebê estar em posição sentada na hora do parto;
  • A frequência cardíaca do bebê estar irregular;
  • A mãe ter problemas na coluna ou quadril que a impeçam de ficar na posição ginecológica;
  • A mãe estar com uma erupção de herpes genital;
  • Quando o cordão umbilical sai pelo canal vaginal antes do bebê.

Terei uma cesariana. Como me preparar?

Quando já se sabe com exatidão o dia e hora, recomenda-se que não se coma nada durante cinco horas antes do parto, mas seu obstetra pode dar maiores orientações a respeito. Quando você estiver no hospital, vai trocar suas roupas por um avental e vão raspar os pelos na sua barriga onde farão o corte. Você não deve estar muito maquiada nem usando esmalte escuro. Vai ser preciso que retire brincos, anéis, pulseiras, piercings e óculos (caso os use). Você tem direito a um acompanhante da sala, a não ser que haja qualquer tipo de complicação que torne necessário algum procedimento que impeça a permanência da pessoa que está te acompanhando.

cesariana

Como é feita a cesariana?

A gestante recebe uma anestesia peridural ou raquidiana (ou uma combinada, que possibilita que a mãe permaneça acordada) e são colocados uma sonda uterina e um soro intravenoso pra que, se necessário, possa administrar medicamentos. Depois que tudo está preparado corretamente, é feita uma incisão acima do osso púbico da mãe e são abertas várias camadas de pele e músculo até que se faça um pequeno corte na parte inferior do útero. Em seguida, o bebê é retirado do útero em pouco tempo — às vezes algum enfermeiro ajuda a empurrar o bebê pela parte de fora da barriga, isso é normal. Assim que o bebê estiver fora do útero, ele será rapidamente avaliado e mostrado a você. O acompanhante também pode segurar o bebê por alguns momentos se estiver tudo bem com ele. Após isso, são dados pontos em todas as camadas de músculo e tecido que foram abertas, e isso leva bem amis tempo do que para fazer as incisões. Então colocam uma identificação no bebê, que você e seu acompanhante poderão conferir antes de ele saia da sala de parto.

pós parto

E depois?

Depois do parto, o bebê vai pro berçário para ser colocado num berço ou incubadora e a mãe vai para uma sala de recuperação. Geralmente essas salas são frias, além de a anestesia atrapalhar o corpo na hora de manter a temperatura, então tente não ficar muito ansiosa caso comece a tremer de frio. Depois que você já estiver na sala, uma enfermeira vai levar o seu bebê e te ajudar a amamentar. Geralmente é mais difícil, depois de uma cesárea, encontrar posições confortáveis, tanto pra amamentar, quanto pra dormir, mas isso vai se atenuando com o tempo.

Não quero ter uma cesárea. O que faço?

Primeiro, você deve tirar todas as dúvidas a respeito dos dois tipos de parto e conversar bastante a respeito com seu médico e com quem mais puder. Procure relatos de outras mães a respeito de seus partos, isso pode ajudar. Deixe claro para o seu obstetra exatamente o que você quer. Se ele for do tipo “completamente adepto da cesariana”, tente procurar outro o mais rápido possível, pra que se possa acompanhar bem de perto e do início a sua gravidez, e procure saber a porcentagem de cesáreas nos hospitais da sua cidade. Para evitar uma cesárea, você deve cultivar hábitos saudáveis com relação à sua alimentação e a exercícios e evitar a todo custo se sobrecarregar, tanto fisica quanto emocionalmente, para que você esteja em perfeitas condições quando entrar em trabalho de parto.

calma

Se você entrar em trabalho de parto, manter-se em posições eretas ao invés de ficar deitada pode acelerar o processo e aumentar as contrações, aumentando a possibilidade de o parto ser normal. Procure exercitar a sua calma sempre que puder para conseguir fazer o mesmo quando isso acontecer.

Quais são os riscos da cesárea?

Toda cirurgia apresenta riscos, na realidade. No caso da cesárea, além dos riscos de acidentes cirúrgicos, como em qualquer outra cirurgia, pode haver infecções e problemas na cicatrização, como queloides ou hérnias. De qualquer forma, a cesárea é m procedimento simples. Outra questão é que, como a mulher não tem como saber exatamente em que dia ovulou, praticamente nunca se sabe ao certo a idade gestacional, então o bebê pode ser retirado antes do tempo ideal, o que pode acarretar problemas respiratórios para ele ao longo da vida, o que não necessariamente num parto natural, pois existe ação de hormônios que podem ajudar nessa questão.

1 comentário

  1. Leonice Xavier

    Tenho 33 anos e 3 filhos, há 5 anos estou vivendo um novo relacionamento, durante 4 anos usei DIU para evitar a gestação,mais devido o grande fluxo e as terríveis cólicas há aproximadamente 1 ano tirei o DIU e fiquei evitando somente com o chamado coito interrompido, porém meu esposo e eu decidimos ter um filho.Meu ciclo mestrual foi no dia 22/05/13 apartir do dia 31/05/2013 começamos ter relação sexual sem usar nenhum método para evitar, acontece que no dia 08/06/2013 minha mestruação veio novamente, durou uns 5 dias.Mais apartir do dia 20/06/2013 comecei a enjoar o cigarro, tive alguns momentos de enjoou e um mal estar perssistente durante o dia inteiro ligado a uma “tontura” continua.Achei que não poderia ser possível ter sintomas tão cedo assim, mais depois percebi que esses sintomas ficam mais evidente toda vez que eu fumo, um cigarro já é o suficiente para em me sentir mal o dia inteiro.Mais agora estou confusa, devo considerar qual dia da última mestruação para especular uma possivel gravidez 22/05 ou 08/06, e esses mal estar já pode ser sintomas de gravidez? Estou muito anciosa e tenho medo até de evoluir para uma gravidez piscológica, por favor me ajudem a entender o que está acontecendo comigo?

Comente!




*Campos obrigatórios